A Roda do Ano




A roda do ano é uma representação dos oito feriados pagãos ou sabás. 
Eles honram e celebram as estações e o ciclo da vida.



Eu acho que não existe um tema sequer que dê mais treta no meio místico do que A Roda do Ano. A conversa pode até começar e seguir de boas, mas sempre vai ter aquele estresse sobre qual Roda respeita a ancestralidade, qual respeita os ciclos naturais e qual tenta equilibrar tudo isso, mas que é acusada de quebrar o ciclo.

Primeiro, vamos entender sua denominação e origem.


A Roda do Ano é uma representação dos oito celebrações conhecidas como Sabás (Sabbats) nos quais o ciclo da vida é honrado. Divididos uniformemente ao longo do ano, são conhecidos como feriados pagãos por terem suas raízes estabelecidas nas práticas dos povos do campo.

Atualmente, os Sabás são divididos quanto a sua tradição e dimensão:

Sabás Celta: Imbolc, Beltane, Lammas e Samhain (Maiores);
Sabás Germânicos: Yule, Ostara, Litha e Mabon (Menores).

Os Sabbats Maiores são aqueles que possuem data fixa sendo também chamados de Festivais do Fogo. Já os Sabás Menores são os que caem nos Solstícios e Equinócios, conhecidos como feriados de trimestre, pois dividem o ano de acordo com a posição do sol.

Solstício significa o início do Verão ou do Inverno; Equinócio, o momento exato que marca o início da Primavera ou do Outono. No primeiro, há dia ou noite mais longa do ano, enquanto no segundo tanto o dia quanto a noite tem duração igual.

Como você pode ver, há uma definição clara dos dois conjuntos de quatro festivais que, quando unidos, se tornaram os oito que conhecemos hoje como a Roda do Ano.

É justamente nesse ponto que surgem as discordâncias.

Embora as estações e o posicionamento astronômico do Sol durante os Solstícios e os Equinócios ocorram obviamente em todo o mundo, eles se dão em períodos opostos nos dois Hemisférios e por isso até mesmo aqueles que seguem denominações espirituais ou crenças semelhantes reconhecem essas celebrações de maneiras diferentes.





Quando a roda começa? 


Considerando que é a Roda do Ano é um círculo realmente ela não tem começo nem fim. Contudo, se ela ilustra a trajetória anual do Sol que “desaparece” no inverno e “renasce” no verão, consideramos o Samhain como o princípio, onde havia a escuridão.

Para observarmos esse ciclo, trago o lindo Mito da Roda do Ano que é personificado pela união da Deusa - o eterno princípio da vida - e do Deus que renasce, cresce, fertiliza a terra, morre e renasce novamente recomeçando tudo.

No Samhain, o Deus desce ao Submundo e torna-se o Senhor da Escuridão. A Deusa revela sua face Anciã, a Senhora da Magia, sendo ao mesmo tempo viúva e mãe (carregando em seu ventre seu futuro filho, que é o próprio Deus, como semente de luz).

Em Yule o Deus renasce, como a Criança da Promessa, filho da Deusa e de Si Mesmo. Ela assume Sua plenitude materna. A escuridão reina como se estivéssemos no caldeirão da Deusa.

Em Imbolc, o Deus e a Deusa são jovens e potencializam a natureza, que começa a desabrochar. A Criança da Promessa cresce com a vitalidade e é festejada, pois os dias tornam-se visivelmente mais longos e renova-se a esperança.

Em Ostara a natureza floresce. Luz e sombras são equilibradas e a luz da vida se eleva e o Deus quebra as correntes do inverno. A Deusa é Virgem e Ele, renascido, é jovem e vigoroso. O amor sagrado da Deusa e do Deus é a promessa do crescimento e da fertilidade.

No Beltane, o Deus e a Deusa estão no auge de sua vitalidade. Para consumar o amor, a  Deusa se transforma em um lindo Cervo Branco e o jovem Deus é o Caçador alado. Ao ser perseguida pela floresta, o Cervo Branco se transforma em uma linda mulher e assim Eles se unem e a sua paixão sustenta o mundo.

Em Litha a Deusa é a Rainha do Verão e o Deus, um homem de extrema força e virilidade. Toda a natureza frutifica. A Deusa está grávida das plantações que serão colhidas e o Deus em seu aspecto de luz está no auge de seu poder e é coroado como o Senhor da Luz. No entanto, Ele já começa a perder o brilho à medida que o Sol se distancia.

Em Lammas o Deus e a Deusa presidem a colheita, mas Ele se sacrifica, morrendo quando os grãos são colhidos e seu sacrifício sustenta a humanidade, oferecendo as sementes para o segundo plantio.

Em Mabon A Deusa é a Mãe Amadurecida e Sábia, enquanto o Deus é apenas uma presença sutil, percebido nas celebrações desta última colheita e nos preparativos para a aproximação da escuridão no Samhain, quando o Deus novamente descerá ao Reino dos Mortos, numa Roda infinita.

Quando celebrar: datas e disposições


Roda do Ano Norte
Samhain - 31 de outubro
Yule (Solstício de Inverno) - entre 20 e 23 de dezembro
Imbolc - 2 de fevereiro
Ostara (Equinócio da Primavera) - entre 19 e 22 de março
Beltane - 1 de maio
Litha (Solstício de Verão) - entre 19 e 23 de junho
Lammas - 1 de agosto
Mabon (Equinócio de Outono) - 21 a 24 de setembro

Roda do Ano Sul
Samhain - 1 de maio
Yule (Solstício de Inverno) - entre 20 e 23 de junho
Imbolc - 1 de agosto
Ostara (Equinócio da Primavera) - entre 20 e 23 de setembro
Beltane - 31 de Outubro
Litha (Solstício de Verão) - entre 20 e 23 de dezembro
Lammas - 1 de agosto
Mabon (Equinócio de Outono) - 20 - 23 de março

Roda do Ano Mista
Samhain - 31 de outubro
Yule (Solstício de Inverno) - entre 20 e 23 de junho
Imbolc - 2 de fevereiro
Ostara (Equinócio da Primavera) - entre 20 e 23 de setembro
Beltane - 1 de maio
Litha (Solstício de Verão) - entre 20 e 23 de dezembro
Lammas - 1 de agosto
Mabon (Equinócio de Outono) - 20 - 23 de março

Vale lembrar que essas datas não são apenas feriados pagãos ou sabás wiccanos, nem foram celebrados pela primeira vez por eles. Estas ocorrências naturais foram honradas e reconhecidas por muitas das antigas culturas e civilizações humanas, tendo registros inclusive no Período Neolítico.

Portanto, não há jeito certo ou errado de celebrar a Roda do Ano. Para os ancestrais altamente sábio e que sempre tiveram seus estudos baseados na natureza, a observação era o princípio para celebrar o transcorrer da vida. Então, sua percepção é particular, ela atende aos seus princípios e ao que você acredita. Então, celebre a vida, abrace as mortes necessárias e honre a Deusa e o Deus da forma que te faz feliz e realizada.


Fase da Lua hoje: Minguante 🌘



Todos os Direitos Reservados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário